MULTINACIONAL AMERICANA COMPRA PRODUTOR DE CITRINOS E PLANEIA MILHõES EM INVESTIMENTOS

Fecha de publicación: 29/04/2022

Após o leilão da empresa Caputto, a multinacional Frutura obteve os activos, elogiando a rentabilidade deste tipo de investimentos milionários no Uruguai.

A empresa norte-americana Frutura, que licitou os activos da Citrícolas Salteña (Caputto), é a nova proprietária dos activos da marca e planeia investir milhões de dólares para expandir a produção, reforçar a reconversão varietal, melhorar os processos da cadeia e alargar a sua gama de produtos.

Segundo o jornal uruguaio El Observador, a Frutura está a investir em todas as ligações da empresa a fim de melhorar e tornar os processos mais eficientes num período estimado de dois anos. Para este fim, atribuirão aproximadamente 10 milhões de dólares.

O CEO da Frutura no Uruguai, Alejandro Buratovich, que tem uma vasta experiência na matéria, destacou numa entrevista com os meios de comunicação social a boa predisposição e facilidades oferecidas pelo Uruguai para este tipo de investimentos de milhões de dólares. Reconheceu também que o país é muito benéfico para o sector na medida em que oferece certas condições naturais devido à sua localização, que noutras grandes regiões produtoras devem ser assistidas.

Relativamente aos produtos colhidos no Uruguai, salientou que em alguns casos, como as mandarinas, estão bem estabelecidos e são bem recebidos em grandes mercados como o americano, que se posiciona em primeiro lugar perante os principais concorrentes, como o Peru e o Chile.

"O Uruguai começou a vender esta variedade em 2014 nos Estados Unidos e, após um período de aprendizagem nos últimos dois anos, tornou-se mais importante. Hoje em dia, a fruta uruguaia é muito bem vista nesse mercado", disse Buratovich ao El Observador.

O gigante baseado em Salta foi adquirido com cerca de 3.500 hectares, dos quais 1.500 foram destinados à reconversão varietal. A empresa tem uma instalação industrial de 26.000 metros quadrados para embalagens de fruta fresca e outra para sumos. Para levar a cabo tudo isto, emprega mais de mil empregados directos e mil indirectos.

Buratovich salientou a importância do apoio do Banco de la República Oriental del Uruguay e a pré-aprovação do empréstimo milionário necessário para esta compra. O banco estatal comunicou antes da compra do Caputto que estava disposto a fornecer uma linha especial para os concorrentes, uma acção que demonstra a flexibilidade e a predisposição do país para atender aos investimentos internacionais.

Fonte: El Observador

Palabras clave:

  • partilhar