NESTLÉ INVESTE US$ 35 MILHõES NO URUGUAI E POSICIONA O PAÍS COMO UM CENTRO DE ABASTECIMENTO DE CAFÉ PARA O MUNDO

Fecha de publicación: 17/06/2022

O talento e o know-how de sua operação no Uruguai permitiram à empresa global desenvolver a torrefação e moagem de sua linha Starbucks e alcançar 15 mercados em cinco continentes em um ano.

Com 45 anos de operação bem sucedida no Uruguai, a Nestlé escolheu novamente o país com um investimento de U$S 35 milhões para criar uma nova unidade de negócios que lhe permitiu dar o salto de um modelo projetado para o mercado local para um que também lhe permite ser um exportador.

Este novo marco veio depois que o grupo global adquiriu a marca Starbucks para sua comercialização no varejo e representou a oportunidade de acrescentar sua força de distribuição em diferentes canais à marca icônica da cafeteria.

Focada nas categorias de café solúvel e em cápsulas, das quais a Nestlé é a criadora e líder, a compra desencadeou o desafio de encontrar um mercado com conhecimento em café torrado e moído para instalar a primeira fábrica da Starbucks na América Latina. O Uruguai, que em 1987 havia adquirido a marca local El Chaná, uma marca histórica no país e referência em café torrado e moído, se destacou.

Com a nova linha de negócios, a Nestlé Uruguai alcançou a categoria de exportador e está atualmente trabalhando em mais de 12 projetos personalizados para abastecer diferentes mercados latino-americanos como Brasil, Argentina, Peru, El Salvador, Panamá, Honduras e Guatemala. Além disso, como resultado da pandemia, as fábricas européias atingiram a capacidade máxima e tanto este mercado quanto o asiático precisavam de um pulmão para abastecê-las. Em 2021, o pulmão desses exigentes mercados era o Uruguai.

Com um crescimento vertiginoso de zero a 600 toneladas exportadas em um ano, a Nestlé Uruguai terminou 2021 abastecendo mais de 15 países nos cinco continentes.

"Isto demonstrou a experiência, flexibilidade e agilidade da equipe uruguaia para construir inovação e responder com sucesso às mudanças", explicou a gerente geral da empresa, Valeria Rodríguez Pardal.

Com uma equipe que atualmente é 100% uruguaia, a meta para este ano é duplicar o volume exportado.

       

         

Por que o Uruguai para um centro de café

O país latino-americano tem a primeira e única linha Starbucks a exportar para o mundo. O investimento foi destinado ao desenvolvimento desta nova linha de negócios e também para a construção de um novo local no Parque Industrial da Zona Este em Canelones, que tem toda a operação integrada - a fábrica com capacidade de 5.500 toneladas, o centro de distribuição e a operação -, tornando-os eficientes e competitivos no mercado.

"O Parque Industrial da Zona Este tem outras empresas como L'Oréal, Mondelèz e Danone, entre outras, o que mostra o crescimento do Uruguai nos últimos anos", disse Rodríguez Pardal.

A escolha do Uruguai como centro de operações para a nova linha de negócios foi baseada em três pilares. O know-how uruguaio, com anos de história e inovação na categoria de torrefação e moagem, foi o primeiro atributo levado em conta, explicou ele.

Em segundo lugar, ele destacou a natureza do mercado, que se caracteriza pela segurança jurídica e estabilidade econômica. "Estas são características favoráveis para estes investimentos que têm um retorno a longo prazo", disse ele.

Ao contrário do que se poderia imaginar a priori, o fato de o Uruguai não ser um país produtor de café tornou-se o terceiro incentivo ao investimento.

"Todos os regulamentos no Uruguai ajudam a fazer dele um centro de café, porque nos permite trazer misturas ou grãos verdes de diferentes partes do mundo sem barreiras ou restrições de entrada", explicou o gerente geral da empresa.

No âmbito destas regulamentações, ela destacou figuras como o Certificado de Origem do Mercosul, que permite, por exemplo, trazer misturas e grãos da Colômbia para o país e exportá-los como café colombiano produzido no Uruguai, e o regime de Admissão Temporária, que permite trazer para o país mercadorias estrangeiras de fora do território aduaneiro, isentas de impostos, que devem então ser reexportadas. "Esta é uma figura extremamente importante ao projetar um negócio e para apoiar seu crescimento", disse ele.

Como terceiro componente dentro do marco regulatório que favoreceu o investimento da Nestlé no Uruguai, ele sublinhou a figura da Comissão para a Aplicação da Lei de Investimentos (COMAP) e as isenções fiscais previstas pela Lei de Promoção de Investimentos. "É um incentivo a longo prazo para a recuperação do investimento e sem dúvida um estímulo para investir no Uruguai", disse ele.

Como incentivos adicionais, Rodríguez Pardal também destacou a abertura do governo uruguaio para facilitar e se tornar disponível. "Destaco isto porque trouxemos várias preocupações e eles sempre abriram suas portas para nos ajudar no processo. Desse ponto de vista, a pessoa se sente acompanhada e que tem um parceiro para fazer as coisas correrem bem", acrescentou ele.

Ele também enfatizou a transformação energética do Uruguai, que atualmente produz 97% de sua eletricidade a partir de fontes renováveis.

"Quando se trata de abrir mercados, é importante considerar que toda a energia utilizada no Uruguai é verde. É atraente, especialmente neste contexto em que a sustentabilidade governa o mundo. Nesse sentido, o Uruguai é hoje um ponto-chave e crítico", disse ele.

Nestlé Uruguai

Ao seu tradicional trabalho local em mais de 10 categorias, incluindo solúvel, cápsulas e café torrado, alimentos para animais domésticos, nutrição infantil, cereais matinais, achocolatados em pó e produtos de confeitaria, a Nestlé Uruguai acrescentou a nova unidade de negócios através da qual importa grãos verdes de diferentes origens, os recebe na fábrica, torra e os mói de acordo com as necessidades do cliente e depois os exporta.

Durante este processo, a empresa trabalhou para obter certificações sem glúten e halal, e em breve obterá a certificação kosher, o que lhe permitirá continuar abrindo mercados. Além disso, eles conseguiram atingir o objetivo de ter 100% de seus grãos obtidos de forma responsável, uma missão que a empresa estabeleceu a nível global para 2025. "Isto fala das capacidades que temos e das possibilidades que o Uruguai oferece para este tipo de projeto", disse a empresa.

Atualmente eles estão trabalhando no desenvolvimento de dutos de inovação. "Este é nosso segundo ano de exportação, o primeiro foi receber necessidades para abastecer a Nestlé em todo o mundo e agora queremos desenvolver as vendas a terceiros", explicou Rodríguez Pardal. 

Palabras clave:

  • partilhar