O PRÓXIMO FÓRUM IBERO-AMERICANO DE MARCAS DE PAÍSES SERÁ ORGANIZADO PELO PERU.

Fecha de publicación: 16/11/2022

O Uruguai, último organizador do CIMAP, cederá também a presidência do CIMAP ao Peru, e o secretariado passará do Chile para a Guatemala.

O Uruguai acolheu o IX Fórum Ibero-Americano de Marcas de Países, no qual participaram autoridades nacionais e mais de 30 representantes da Ibero-América. A actividade reuniu as tendências globais de branding e posicionamento dos países e permitiu aos membros do Conselho Ibero-Americano de Marcas de Países (CIMAP) partilhar experiências de gestão.

No último dia de actividades, os membros do CIMAP votaram unanimemente no Peru como anfitrião do próximo fórum, enquanto que o pré-fórum se realizará na Guatemala. Ambos os eventos terão lugar na primeira metade de 2023.

O Uruguai, que foi o criador e organizador em 2013 do primeiro fórum regional deste tipo e que este ano o acolheu novamente para coincidir com a sua presidência do CIMAP para o período 2021 - 2022, cederá a presidência do conselho ao Peru, enquanto que o secretariado passará do Chile para a Guatemala.

A abertura do fórum teve lugar na Torre Executiva e contou com a presença da vice-presidente do Uruguai, Beatriz Argimón, que sublinhou o trabalho sistemático do país em favor da construção da sua marca.

A reunião, à qual assistiram, entre outras autoridades, o Secretário da Presidência, Álvaro Delgado e o Ministro do Turismo, Tabaré Viera, foi o cenário para a apresentação do portal Uruguay.uy e do novo processo de licenciamento da Marca do País no Uruguai para empresas de produtos e serviços nacionais.

O segundo dia de actividades passou de Montevideo para Punta del Este, uma das principais estâncias balneares do país. Foi uma sessão fechada com técnicos e especialistas do país e marcas regionais na Ibero-América, que aproveitaram a oportunidade para partilhar e discutir as suas estratégias de gestão e as melhores práticas.

Aí, o instituto de investimento, exportação e promoção da imagem do país, Uruguai XXI, juntamente com o LSQA, apresentou o novo licenciamento da Marca do País com base nos pilares da liderança e gestão, sustentabilidade, origem e exportação.

O Chile e o Uruguai apresentaram as suas marcas sectoriais
O Uruguai partilhou a sua experiência e a sua estratégia de marcas sectoriais sob o guarda-chuva da marca do país, enquanto o país transandino comentou a forma como a Fundación Imagen de Chile apoia os seus sectores produtivos a fim de reforçar o posicionamento internacional, trabalho que é feito através da concepção e implementação de marcas sectoriais representativas dos sectores produtivos nacionais que contribuem para a imagem do Chile no estrangeiro.

Histórias de sucesso

Durante o encontro, a Costa Rica apresentou como conseguiram incorporar a identidade da marca no passaporte, um trabalho possível graças à intervenção conjunta de vários actores governamentais. Entretanto, a Colômbia mostrou como implementou a venda de merchandising com a identidade da marca e com o design e mão-de-obra locais.

Finalmente, El Salvador apresentou a marca de destino Surf City e como conseguiram posicionar o país através da sua marca de destino, enquanto o Paraguai e a Argentina mostraram a evolução das suas marcas ao longo do tempo.

A sessão culminou com uma visita a alguns dos cenários mais atractivos de Punta del Este, permitindo aos visitantes conhecer parte da oferta cultural do país, como o Museo de Arte Contemporáneo Atchugarry (MACA), um espaço emblemático da cultura uruguaia, bem como uma imensa atracção para o turismo, tanto pelo seu valor arquitectónico como pelas importantes exposições de arte que exibe.

Este colossal espaço de arte, que combina os talentos do premiado arquitecto uruguaio Carlos Ott com os do famoso escultor uruguaio Pablo Atchugarry, posicionou Punta de Este como um destino turístico cultural. Localizado nos extensos terrenos da Fundação Pablo Atchugarry em Manantiales (Punta del Este), o MACA tem dois stands contíguos de elegante design de madeira de eucalipto rosa e mais de 5.000 metros quadrados de espaço de exposição. Oferece quatro salões de exposição, um salão multifuncional, cafetaria e loja.

A adega Bodega Oceánica foi outro ponto alto da digressão. As suas vinhas estão situadas a sete quilómetros do Oceano Atlântico, onde todos os processos de vinificação são artesanais e amigos do ambiente.

A indústria vinícola uruguaia conseguiu captar a atenção dos paladares mais exigentes, tendo o tannat como a sua variedade emblemática. O Uruguai está entre os quatro maiores produtores de vinho do continente, ostenta numerosos prémios internacionais e é o primeiro país a ter toda a sua viticultura mapeada.

Palabras clave:

  • partilhar