URUGUAI MOSTRA SUA VARIADA OFERTA DE SUCESSOS DE EXPORTAçãO

Fecha de publicación: 08/11/2019

Jóias em lojas de Nova York, café vindo do país do companheiro, publicidade que viaja pelo mundo e até mesmo um projeto que levou a uma academia de esportes do Atlético de Madrid são alguns exemplos de exportações uruguaias que se tornaram um sucesso.

Jóias em lojas de Nova York, café vindo do país do companheiro, publicidade que viaja pelo mundo e até mesmo um projeto que levou a uma academia de esportes do Atlético de Madrid são alguns exemplos de exportações uruguaias que se tornaram sucesso.

Expandir os limites da nação, buscar oportunidades, obter o ponto de eficiência que permita administrar um diferencial, alcançar um mercado muito mais amplo e entrar em uma aventura, é, de alguma forma, o que significa para um grupo de exportadores uruguaios vender no exterior.

Agnes Lenoble, Marco Picorel, Daniel Álvarez e Facundo del Castillo vivem em sua própria carne o sucesso de tirar seus produtos das fronteiras, fato que, além dos benefícios, também os faz enfrentar grandes desafios.

Para Lenoble, designer que fabrica jóias contemporâneas com pedras naturais, um dos principais desafios é entender o mercado em que ela quer entrar para entrar.

Para conseguir isso, o jovem designer explica que as principais habilidades que você precisa ter são trabalhar e estar "o tempo todo alerta para o que está acontecendo" para se mover ao ritmo daquilo.

"Nenhuma oportunidade sairá de uma secretária. A principal habilidade é mover-se e estar constantemente trabalhando para alcançar os objetivos", diz ela.

Segundo Picorel, diretor da Saint Hnos., empresa dedicada ao segmento de produtos para o café da manhã, um dos primeiros desafios é "analisar as oportunidades com antecedência" e para isso é fundamental ser treinado.

Agora, três anos depois de iniciar a internacionalização, a Saint Hnos. exporta produtos para o México, El Salvador e Peru, e se aproxima da Bolívia e do Paraguai.

Um deles é o café, que é produzido no Uruguai, país conhecido mundialmente por seu companheiro, e que, para orgulho de Picorel, chega às terras de cultivo de café.

Álvarez, produtor executivo da Transparente Filmes, empresa que exporta serviços de produção para o exterior, também tem o prazer de falar sobre seu trabalho e ressalta que "flexibilidade" e "adaptabilidade" são as habilidades mais importantes para conquistar mercados.

Através desta empresa, o Uruguai já exportou produções cinematográficas e publicitárias para países como Alemanha, Argentina, Brasil, Espanha, México, Polônia, entre outros.

Na mesma linha, a Ingenium, empresa de consultoria especializada em engenharia estrutural, também traz seus serviços para Bolívia, Chile, Espanha, Panamá, Paraguai e Peru.

Um de seus projetos mais destacados foi o da academia de esportes do Atlético de Madrid em Alcalá de Henares (cidade próxima à capital espanhola), conta a Efe Del Castillo, fundadora da empresa.

Para ele, a venda de produtos e serviços uruguaios é realizada através de um diferencial que contribui com "valor para o cliente".

Na opinião de Del Castillo, os uruguaios são "alologues" e essa versatilidade se destaca.

Da mesma forma, assinala que para conseguir tudo isso, "muitas barreiras pessoais" devem ser rompidas e é necessário encorajar-se "a sair da zona de conforto".

Quem o fez obteve benefícios como conseguir o reconhecimento da marca a nível mundial, ter um complemento para acrescentar ao mercado local, conseguir a possibilidade de estar sempre na vanguarda com a última tendência e sustentar o capital humano ao longo do tempo, todos eles apontam.

Portanto, Lenoble, Picorel, Álvarez e Del Castillo, que explicaram seus casos em um programa de capacitação em habilidades de exportação, realizado pela Uruguay XXI -agência de promoção de investimentos, exportação e imagem do país -, não hesitam em assegurar àqueles que querem vender no exterior que no Uruguai "podem".

Além disso, os quatro destacam este programa onde, entre outras coisas, aprenderam a avaliar os diferentes mercados e a concorrência, a conhecer os tratados comerciais que seu país tem, a situação dos diferentes mercados e outras culturas.

Pablo Pereira, gerente de exportação do Uruguay XXI, ressalta que esta atividade faz parte de um dos "objetivos específicos" de seu departamento, que, após vários workshops, realizou "um programa integral com temas de internacionalização".

Ele também destaca que, além disso, a agência tem outras instâncias "para ajudar as empresas a se iniciarem no processo de exportação".

Finalmente, Pereira deixa uma mensagem para as empresas que ainda não vendem no exterior e estão pensando em fazê-lo, e é que "tudo pode ser feito", algo que muitos exportadores já têm claro.

Por esta razão, o país do mate exporta café, vê como corre a sua publicidade pelo mundo, orgulha-se de um projecto para o Atlético de Madrid e sabe que as suas jóias podem percorrer a Grande Maçã. (EFE)

Palabras clave:

  • partilhar