VINHOS URUGUAIOS DE QUALIDADE HISTÓRICA PREPARAM-SE PARA SAIR PARA O MUNDO

Fecha de publicación: 08/06/2020

Especializado en el mercado de alta gama, el país exhibirá en 2020 una cosecha excelente de acuerdo a los expertos.

A indústria vinícola uruguaia, especializada em um nicho de mercado high-end, se prepara para a liberação da safra 2020, descrita como "histórica" pelos especialistas, em um mundo marcado pela pandemia da COVID-19.

O país sul-americano, cujas exportações de vinho no início deste ano atingiram cerca de 3,4 milhões de dólares, ultrapassou os valores registados para o mesmo período em 2018 e 2019.

Nicho de mercado

Por este motivo, e embora os peritos conheçam as dificuldades que enfrentam num mundo quase paralisado pela pandemia, apostaram na "qualidade deste ano" como um valor seguro "para o futuro".

É o que afirma o presidente do Instituto Nacional de Vitivinicultura (INAVI), o enólogo José María Lez, explicando que esta é uma situação que ocorre num "aumento da qualidade", e que faz parte do plano de políticas públicas em colaboração com o sector privado para "ter uma rota" de reafirmação no mercado externo.

Lez está consciente de que a actual crise sanitária mundial terá um impacto e salienta a "particularidade" do Uruguai como um nicho de mercado, o que lhe permite ter uma qualidade que se situa "numa certa gama de comercialização".

O INAVI está particularmente atento ao desenvolvimento da crise em países como o Brasil e os Estados Unidos, dois dos seus principais destinos de exportação, e não exclui o planeamento de uma acção especial para o segundo semestre do ano.

A natureza abençoada

Segundo os peritos, para que uma vindima seja classificada como "histórica", o ambiente natural deve proporcionar as condições perfeitas para que a produção vitivinícola não sofra nenhum percalço.

Os enólogos consideram que, para a vindima de 2020, todas as condições meteorológicas estavam presentes para conseguir uma boa maturação das uvas, tanto em termos de cor como de carga polifenólica, para que o Uruguai pudesse desenvolver uma das produções de maior qualidade da sua história.

O presidente da Associação de Enólogos do Uruguai, Fernando Pettenuzzo, explica que a colheita de 2020 será "memorável", pois, nos seus 20 anos de experiência, foi a única em que todas as uvas do país completaram o seu ciclo vegetativo, maturação, teor de açúcar, pH, acidez e diferentes características varietais aromáticas.

"Se tivermos uma matéria-prima muito boa, é muito provável que tenhamos um vinho excelente, é directamente proporcional. Lembro-me de colheitas muito boas, mas uma colheita como esta, que pudemos colher todas as variedades de todos os departamentos do Uruguai, é a única. Posso dizer pessoalmente que é uma colheita histórica", diz ele.

Da adega para o mundo

De acordo com dados do INAVI, 159 adegas prensaram este ano quase 94 milhões de quilos de uvas, mais 10,75% do que em 2019, quando foram registados 83 milhões de quilos.

O gerente geral de uma das principais empresas exportadoras de vinho do Uruguai, Bodega Garzón, Christian Wylie, não esconde sua felicidade depois desta colheita "histórica", que ele descreve como sendo preparada desde janeiro e que eles planejam exportar para cerca de 50 países.

Apesar da crise sanitária, esperam ter um crescimento de 10% em comparação com o ano passado.

Apesar deste cenário de incerteza, Wylie salientou que "é uma bênção" que dentro das adegas haja vinhos "seguros e sãos" com qualidade "muito elevada", na sua opinião, "a melhor qualidade de sempre", algo que os ajudará a "voltar ao caminho do crescimento e do sucesso" no mundo.

Por sua vez, Lucía Favretto, proprietária da bodega da família Favretto Dragone, explicou que "o bom" de ter uma vindima como esta é que "o clima não é muito mau", pois não há problemas de saúde com as uvas e se "todas as uvas são boas" podem ser tentadas para fazer "um número infinito" de diferentes vinhos finos ou de mesa.

"Haverá uma maior qualidade, não só na linha dos vinhos finos, daquelas uvas que foram trabalhadas para vinhos finos, mas também para a maioria dos vinhos de mesa uruguaios". Aí a qualidade será muito superior àquilo a que estávamos habituados", afirma.

O Uruguai obteve, segundo os dados fornecidos pelo INAVI, oito medalhas -dois de ouro e seis de prata- nas edições de 2020 da Vinalies Internationales e Bacchus International Wine Competition. Só o tempo confirmará se a colheita de 2020 é histórica, como dizem os especialistas.

(EFE - Raúl Martínez)

Palabras clave:

  • partilhar