CENTROS DE SERVIçOS GLOBAIS INSTALADOS NO URUGUAI AVALIAM A CONTINUIDADE DAS OPERAçõES DURANTE UMA PANDEMIA

Fecha de publicación: 11/06/2020

Eles destacam a resposta do governo à crise sanitária, o sólido apoio institucional e a moderna infra-estrutura tecnológica oferecida pelo país, um centro de negócios seguro e confiável.

Em um contexto internacional desafiador, como resultado da crise sanitária causada pela COVID-19, o Uruguai é reconhecido como um parceiro confiável pelas empresas de serviços globais instaladas no país, o que deu continuidade aos seus negócios apesar das contingências.

A sólida gestão governamental da crise e o apoio fornecido às empresas, como o seguro-desemprego e a flexibilidade temporária do regime de zona franca para teletrabalho, foram aspectos chave para a adaptação das empresas em tempo real à nova realidade.

A multinacional Alorica, dedicada a fornecer serviços de Atendimento ao Cliente e Suporte Técnico a clientes internacionais com aproximadamente 550 funcionários no Uruguai, conseguiu ter 70% de seu pessoal teletrabalhando, enquanto o resto continuou com suas tarefas a partir dos escritórios. A gerente de Recursos Humanos da empresa no Uruguai, Cecilia García Montejo, destacou que "a boa conectividade à Internet permitiu que o trabalho continuasse de casa sem interrupções". Nesse sentido, ela disse que "a infra-estrutura e a conectividade fizeram a diferença" em relação a outras localidades da empresa.

Com relação à gestão da crise sanitária pelo governo, García Montejo destacou a importância de medidas como o desenho de protocolos de saúde para as empresas, que permitiram às empresas "operar com a maior garantia". "No caso da Alorica seguimos estes protocolos 100%, temos altos padrões de conformidade, auditados internamente e por nossos próprios clientes".

Ele também enfatizou a importância das medidas implementadas para aliviar as conseqüências econômicas da crise sanitária. "O apoio do governo ao relaxamento do seguro-desemprego tem sido muito positivo", disse ele. A resolução, adotada em maio, torna o acesso a este benefício mais flexível para os trabalhadores afetados pela emergência sanitária, a fim de evitar a perda de empregos.

O diretor executivo da BASF Services Americas, Mike Miles, que dirige o centro de serviços para as Américas do gigante químico com mais de 500 posições, destacou em sua conta no LinkedIn "o desenvolvimento positivo dos indicadores da pandemia no Uruguai", o que permitiu o retorno aos escritórios da empresa após nove semanas de teletrabalho.

"Nossa equipe de Incidentes aqui em Montevidéu fez um grande trabalho desenvolvendo um plano para o retorno ao escritório e definindo os protocolos necessários de saúde, segurança e higiene", observou o executivo. Miles observou que o sistema de trabalho remoto ainda é a opção preferida na sede uruguaia. "O retorno ao escritório está acontecendo de forma voluntária e está limitado a um máximo de 30% da capacidade do escritório", disse ele em sua rede social.

A BASF é uma das empresas internacionais que escolheram o Uruguai como um centro regional para suas operações. O país oferece uma série de vantagens que o tornam um destino excepcional para este tipo de investimento, tais como sua reconhecida estabilidade, clima comercial favorável, benefícios fiscais e incentivos governamentais, disponibilidade de talentos qualificados e uma infra-estrutura logística e tecnológica desenvolvida.

Enquanto isso, o Country Manager do Mercado Libre no Uruguai, Rafael Hermida, destacou as qualidades dos profissionais uruguaios e a avançada infra-estrutura digital como aspectos chave para a adaptação das empresas à nova realidade. "Todo o ecossistema ao redor do Mercado Livre foi capaz de continuar operando sem grandes problemas graças à boa infra-estrutura tanto de software quanto de conexão", disse ele.

Com relação à resposta do pessoal da empresa, que emprega 1.100 pessoas, o representante do Mercado Libre enfatizou que "a adaptação foi muito rápida e ocorreu naturalmente, tanto por causa da qualificação de nossos trabalhadores quanto por causa das ações tomadas pela empresa", acrescentou ele.

Ele também destacou a rapidez da resposta do governo à chegada do coronavírus. "A chave foi um decreto que o governo emitiu imediatamente após a declaração de emergência sanitária para permitir o teletrabalho dos trabalhadores em zonas francas. Isto nos permitiu continuar operando em nosso centro regional, prestando serviços a vários países da América Latina", disse ele.

"O Estado, as câmaras empresariais, o meio acadêmico e as empresas, entre muitos outros atores, vêm trabalhando há muitos anos para fortalecer este ecossistema digital, e os resultados podem ser vistos hoje: há uma penetração muito alta da Internet (90% dos lares têm acesso) e também dos smartphones, há um excelente talento e há regras claras e instituições fortes. Isto permitirá que as empresas se adaptem e naveguem na 'nova realidade' com sucesso, mas não sem antes mudar e em alguns casos se reinventarem", disse ele.

Após o surgimento dos primeiros casos com o Covid-19, o governo implementou imediatamente várias medidas, mas nunca decretou o confinamento obrigatório da população. Ao invés disso, a estratégia era apelar para a responsabilidade cidadã. No âmbito da atual situação de saúde, onde as empresas devem buscar mecanismos para se adaptar à nova realidade, o Uruguai é um parceiro confiável e seguro para fazer negócios na região.

Palabras clave:

  • partilhar