CHINA: MUDANçAS DRÁSTICAS E ALTERNATIVAS NO MERCADO DE ALIMENTOS E BEBIDAS

Fecha de publicación: 22/04/2020

A China está tentando recuperar sua economia e sua dinâmica habitual, mas como é e será em outros países, a mudança virá após a crise.

Em 2019, a indústria alimentícia chinesa obteve receita de US$ 672,65 bilhões (aproximadamente), com crescimento anual de 9,4%.


Nos dois primeiros meses de 2020, a maioria das categorias de produtos registrou uma queda significativa nas vendas, exceto de cereais, óleo, alimentos, bebidas e medicamentos. A carne congelada e o macarrão instantâneo cresceram 13,5% e 11,4%, respectivamente.

Embora o impacto do vírus no setor alimentício da China ainda não tenha sido determinado, o país asiático está mostrando uma recuperação gradual neste setor.

Como será o mundo depois da crise? Esta é provavelmente uma das perguntas mais difíceis de responder neste cenário de emergência global em que a pandemia tem demonstrado poder devastador em economias apenas comparáveis às de grandes desastres ou mesmo guerras mundiais.

A natureza desta crise e as mudanças que as medidas de prevenção sanitária geram nas alfândegas acentuam os problemas enfrentados por algumas indústrias e fortalecem a posição de outros setores que parecem estar mais bem preparados para este contexto.

A produção de alimentos e bebidas é um bom exemplo a ser analisado, particularmente na China, onde a emergência colocou em risco algumas práticas tradicionais e trouxe mudanças muito importantes na forma de comercialização e nos hábitos de consumo.

O fato de a origem conhecida do coronavírus estar naquele país, na cidade de Wuhan, e em um formato de mercado tradicional e difundido no país, não passou despercebido pelos consumidores. Da mesma forma, a identificação do confinamento como principal medida de cuidado também teve impacto nas formas de consumo e que inclui alimentos.

A reação imediata de recorrer a uma oferta maior do que a necessária para a quarentena; uma maior rejeição ao consumo de animais selvagens e vivos; ficar em casa para comer em vez de procurar opções fora; e as dificuldades geradas pelo risco de contágio de ir a um supermercado são algumas das tendências que marcaram os últimos meses e que deixarão sua marca na economia quando a crise acabar.

Lentamente, a China está tentando recuperar sua economia e sua dinâmica habitual, mas como acontece e vai acontecer em outros países, após a crise virá a mudança. Os números mostram isso. Os pedidos de pedidos de alimentos reportaram três vezes mais renda neste período do que no ano anterior. Os restaurantes fecharam completamente, e mais de 70% rapidamente se juntaram às diferentes plataformas de entrega de alimentos.

Nessa linha, a decisão de apostar em uma dieta mais cuidadosa e saudável também terá suas conseqüências. De acordo com avaliações oficiais. Os mercados populares, que estão apenas reabrindo em algumas cidades, são um dos setores mais duramente atingidos da economia. Da mesma forma, a produção agrícola e alimentar em geral estará sujeita a um escrutínio mais exigente dos consumidores e, em resposta, o governo intensificou a fiscalização das empresas para certificar a qualidade de sua produção.

São mudanças e medidas que não só impactam as grandes empresas globais presentes no mercado chinês, mas também têm conseqüências diretas sobre as empresas familiares. Na China cerca de 95% das empresas do ramo alimentício são empresas familiares, que a partir de agora enfrentam o grande desafio de se adaptarem a uma nova realidade.

Um exemplo disso é a incorporação de pauzinhos para comensais em restaurantes e redes, mesmo para pratos que antes eram comidos à mão, como parte da tradição. A prevenção e prevenção do contato com germes também impacta no uso do espaço, fornecendo mesas onde até mesmo uma pessoa pode ser colocada.

Os consumidores estão escolhendo novas ferramentas para consumir e os players do mercado estão tentando adaptar seus negócios para seguir a tendência.

O desafio para a indústria
Analistas de diferentes partes do mundo têm afirmado repetidamente que alimentos e bebidas serão os primeiros setores a se recuperar deste cenário complexo. Na China, espera-se que as compras dos consumidores se normalizem até o segundo semestre de 2020, quando poderão atingir níveis semelhantes aos anteriores à crise.

É verdade que o próprio tamanho do mercado chinês favorece a sobrevivência da indústria, embora enfrente o desafio gerado pela menor demanda, uma maior tendência a outros tipos de alimentos e um uso significativamente maior dos serviços de entrega de alimentos.

A emergência sanitária deixou claro como as mudanças na alfândega podem redefinir a economia, e dependerá do poder adaptativo das grandes e pequenas empresas para sobreviver.

Fonte: Elaborado pelo Uruguai XXI com base em um relatório do Grupo de Relações Públicas Estratégicas

Palabras clave:

  • partilhar