ESTABILIDADE URUGUAIA DURANTE A CRISE DA COVID-19

Fecha de publicación: 16/04/2020

Um mês após o primeiro caso positivo, o país reflecte a estabilidade que tem na sua vida quotidiana na luta contra a pandemia.

O Uruguai completou o seu primeiro mês de emergência sanitária pela COVID-19 na segunda-feira, 13 de Abril. No entanto, a tranquilidade característica do Uruguai, a responsabilidade da sua população e as medidas de contenção permitem-lhe não estar no caos.

Em 13 de Março, o Presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, em exercício há menos de duas semanas, anunciou os primeiros quatro casos do novo coronavírus e declarou nesse dia uma emergência sanitária: suspendeu todas as actividades públicas e aulas presenciais e instou a população a permanecer em casa.

Na segunda-feira, 13 de Abril, logo após o final de uma Semana de Turismo atípica (Páscoa), retomam-se algumas actividades, como a construção civil, que terá importantes medidas de segurança.

De acordo com o último balanço apresentado no domingo 12, o Uruguai tem 512 casos positivos dos 8.774 testes realizados.

Isolamento voluntário

Para alcançar as medidas de isolamento, o Governo uruguaio contou com a boa vontade da sua população. Desde meados de Março, o Uruguai tem as suas fronteiras fechadas, com a única excepção para a população que vive em cidades limítrofes do Brasil.

No entanto, esta medida não impede o Uruguai de envidar esforços para levar os seus compatriotas encalhados no estrangeiro e colaborar no repatriamento de estrangeiros para os seus países de origem.

Cerca de 2.000 uruguaios regressaram através de voos humanitários coordenados pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, enquanto cerca de 1.000 estrangeiros regressaram aos seus países com a mesma mediação.

Um dos acontecimentos mais marcantes foi a evacuação de 112 passageiros de cruzeiro australianos e neozelandeses do navio Greg Mortimer, em que um grande número dos seus ocupantes foi afectado pelo COVID-19 e que foram repatriados num voo para Melbourne.

Sistema de saúde estável

COVID-19 sistemas de saúde saturados em várias partes do mundo. Apesar desta preocupação, as autoridades sanitárias uruguaias asseguram que o sistema está preparado e não corre o risco de colapso.

O Uruguai tem cerca de 900 camas de cuidados intensivos e, segundo Lacalle Pou na conferência, o país teria de chegar a cerca de 8.700 casos para preencher a capacidade de cuidados de saúde.

O Ministério da Saúde Pública (MSP) adaptou o Hospital Espanhol para servir de centro de referência para o tratamento de casos positivos da COVID-19.

A economia

Embora o dia seguinte seja desconhecido, o governo tomou medidas para tentar atenuar uma possível crise económica quando a emergência sanitária tiver terminado.

Foram previstas facilidades para enviar trabalhadores para o seguro de desemprego, para evitar despedimentos e também para diferir o pagamento de contribuições para as pequenas e médias empresas.

Os trabalhadores públicos e privados com mais de 65 anos - que fazem parte da população em risco - estão a ser subsidiados pelo governo para que possam ficar em casa.

Para os sem-abrigo com mais de 65 anos, estimados em cerca de 300, o Ministério do Desenvolvimento Social criou uma série de abrigos temporários para proporcionar alojamento 24 horas por dia.

Lacalle decretou também uma redução de 20% nos salários dos funcionários públicos (incluindo o seu rendimento mensal e o dos ministros) e uma redução de 10% para os funcionários públicos que ganham mais de 80.000 pesos (cerca de 1.800 dólares) durante um período de dois meses.

Embora tenha passado apenas um mês desde que foram notificados os primeiros casos, o Uruguai parece estar a conseguir gerar um planalto na curva de infecção e reflectir a estabilidade que este país tem na sua vida quotidiana na luta contra a pandemia.

No entanto, o medo do frio e de possíveis doenças respiratórias típicas do Outono e do Inverno levaram as autoridades a insistir na necessidade de prevenção.

(Com informações da EFE)

Palabras clave:

  • partilhar