MODA: "A CRISE PODE SIGNIFICAR UMA MUDANçA DE PARADIGMA".

Fecha de publicación: 21/04/2020

A consultora de moda argentina Mariana Flink compartilhou dicas para as marcas de moda atravessarem esse período de crise global.

A pandemia da COVID-19 foi um momento excepcional e sem precedentes para toda a sociedade e um grande nível de incerteza e preocupação com o futuro dos negócios. Neste contexto, o Uruguai XXI organizou uma palestra virtual de Mariana Flink, fundadora da consultoria argentina Despacho de Moda, que deu uma série de recomendações como uma contribuição honorária para ajudar as marcas uruguaias a se adaptarem à nova situação e superarem com sucesso a crise econômica.

O objetivo da iniciativa foi esclarecer dúvidas e responder algumas perguntas das empresas: o que as marcas podem fazer para aproveitar ao máximo esse tempo, como deve ser a relação entre marcas e clientes, qual a importância do uso de redes sociais, o que fazer com o comércio eletrônico, qual será o "depois" para as marcas quando isso acabar?

A Despacho de Moda trabalha na indústria da moda há 12 anos e nas últimas semanas, segundo sua fundadora, teve mais trabalho do que nos últimos oito meses. Desde fevereiro - quando já era previsível a chegada do vírus na região - a consultoria passou a instar as marcas a tomarem decisões que amortecessem as conseqüências que o isolamento social causaria. A primeira coisa que eles recomendaram foi a transferência do maior número possível de produtos para as casas, a fim de fazer os embarques. Hoje, as marcas argentinas que seguiram o conselho têm acesso ao seu produto e podem vendê-lo.

"Uma coisa que você pode aprender neste ponto é ler nas entrelinhas da mídia: os primeiros avisos de possível confinamento foram indicadores de que iríamos chegar a essa situação", refletiu Flink.

O consultor de gestão empresarial para o setor de moda e estilo de vida considerou que este é um momento propício para pensar em como estar preparado e gerar um suporte financeiro que servirá de apoio durante as crises. "Não há uma receita única, o foco tem que estar no que cada marca considera mais importante e escolher o que fazer com os recursos que tem à sua disposição. Fora da crise, as decisões foram tomadas de acordo com uma fórmula, neste contexto, as decisões são muito mais pessoais. É uma oportunidade de definir os valores de cada marca e agir em conformidade", disse ele.

"A primeira coisa é não desaparecer. Se suas marcas desaparecerem agora, elas também desaparecerão após a quarentena. É essencial acompanhar seus clientes e decidir como eles vão acompanhá-lo", disse ela. Nesse sentido, o canal de comunicação que permite às marcas se conectarem com seus clientes em um momento de confinamento são as redes sociais.

É fundamental levar em conta que é provável que os clientes utilizem as redes sociais por mais tempo. Aumentar o número de postagens diárias, criação de novos conteúdos, oferta de opções de entretenimento, desde montar uma playlist musical, recomendar ou ministrar cursos virtuais, compartilhar receitas ou criar pesquisas em que todos podem participar, até abrir espaços para compartilhar o sentimento. Isso não só contribui para fortalecer os laços entre o cliente e a marca, mas é outra forma de solidariedade, disse ela.
Isso não só contribui para fortalecer os laços entre o cliente e a marca, mas é outra forma de solidariedade, disse ele.

Um dos pontos-chave para atravessar esse período é fazer o comércio eletrônico avançar. O foco deve estar neste modelo de negócio para "mover a roda financeira", disse o consultor de moda. Oferecer frete gratuito, combos ou descontos especiais são algumas das estratégias para estimular o público a comprar os produtos. Além disso, Flink observou que é um momento difícil para vender itens de alto custo, portanto o foco na venda de produtos mais baratos deve ser considerado uma opção.

Outra das estratégias fundamentais é "abrir a marca", ou seja, oferecer ao consumidor a possibilidade de fazer parte da criação dos desenhos, de co-criar. Envolver os clientes na produção é reconfortante, faz com que os clientes se sintam úteis e ajuda a fortalecer sua ligação com a marca, disse ela. "Você tem que se permitir flexibilidade desde o produto até a comunicação: você tem que tentar ser diferente", aconselhou ela.

É difícil prever o futuro nestas circunstâncias, mas Flink apontou algumas tendências que irão se aprofundar após o período de isolamento. Ela observou que as tendências de consumo local á não consumir, a transparência e a flow moda flow fashion estarão mais presentes e considerou que "é bom focar a produção e a comunicação sobre essas tendências". "A normalidade vai ser redefinida e não será a mesma que a conhecemos", disse ela.

A tendência ao consumo local significa uma revalorização dos produtos feitos no país e um veículo que os consumidores encontrarão para contribuir com a economia local. A tendência ao não consumo refere-se ao consumo seletivo que os clientes podem expressar: a preferência por pagar mais por um produto com maior durabilidade. A intemporalidade e a durabilidade são dois fatores que estarão muito presentes, disse o consultor.

Por outro lado, a tendência à transparência das marcas é algo que tem assumido maior relevância e é uma medida que deve ser sustentada ao longo do tempo. "O que é feito agora não deve desaparecer depois da quarentena", advertiu ela. Esta é uma "mudança de marca", de "abrir a alma da marca e compartilhá-la com nossos clientes e fornecedores". As marcas têm que ser mais humanas e mais próximas: menos photoshop e mais realidade. Ser o mesmo o tempo todo com a idéia de estreitar os laços com quem está ao redor da marca e estar perto", disse ele.

"O conceito de competição vai mudar, hoje mais do que competição somos colaboradores. No mundo da moda ainda há muitas pessoas que têm medo de compartilhar informações, agora elas vão começar a ser muito mais abertas. No futuro vamos competir e vamos continuar colaborando. A crise pode significar uma mudança de paradigma. O lugar de onde estamos como marca vai definir o futuro como uma empresa".

Embora não haja receita precisa para o que fazer em um momento como este, Flink ressaltou que solidariedade e espírito colaborativo são ingredientes essenciais para encontrarmos juntos uma saída.

Palabras clave:

  • partilhar