O URUGUAI FOI PROTAGONISTA DO FÓRUM DE INVESTIMENTOS DO CONE SUL

Fecha de publicación: 30/11/2020

Junto com Argentina e Chile, o país co-organizou o evento líder na indústria de Private Equity, Venture e Seed Capital.

Uruguai, Argentina e Chile se uniram para promover o primeiro Fórum de Investimentos do Cone Sul (FICS 2020), o principal evento do setor de Private Equity, Venture e Seed Capital, que reuniu os atores mais relevantes do setor para discutir tendências e oportunidades de negócios.

O Fórum foi organizado pelo Uruguai XXI, a Associação Chilena de Capital de Risco (ACVC) e a Associação Argentina de Private Equity, Venture and Seed Capital (ARCAP). Foi realizado em formato virtual nos dias 24 e 25 de novembro, e contou com a participação de mais de 40 líderes da indústria regional e internacional e mais de 700 participantes.

"Nossos países são conhecidos em todo o mundo principalmente por suas exportações agrícolas e alimentares, mas queremos que as pessoas comecem a nos conhecer pelo ecossistema empresarial e pelos fundos de investimento, tanto de capital de risco como de private equity", disse Inés Bonicelli, Vice-Diretora Executiva do Uruguai XXI durante a cerimônia de abertura. Em outra nota, ela enfatizou a importância de "promover um empreendedorismo mais inclusivo e investimentos que tenham um impacto positivo na sociedade".

Yigal Erlich, fundador e sócio-gerente do fundo de investimento Yozma. conhecido como o pai da indústria de capital de risco de Israel, foi um dos palestrantes principais no evento. Erlich falou sobre o desenvolvimento deste setor em seu país, onde a colaboração entre o Estado e os investidores ajudou a consolidar um ecossistema empresarial sólido e dinâmico, que hoje detém um número recorde de investimentos. Quando perguntado como replicar esta estratégia nos países do Cone Sul, ele enfatizou a importância de fortalecer o ecossistema empresarial local, que constitui "a base necessária para o sucesso".

Outro destaque foi a apresentação de Javier Artigas, o uruguaio que transformou sua doença em um empreendimento de sucesso, e que contou ao público uma história incrível de crescimento pessoal. Com base em sua experiência como paciente com insuficiência renal, Artigas desenvolveu uma plataforma digital que conecta 8500 centros de diálise em 150 países. Desta forma, a Connectus Medical oferece uma solução de tratamento para que a doença não seja um obstáculo para viajar.

"O modelo de negócios é baseado na compreensão dos pacientes por outros pacientes e não por médicos", disse Artigas. Neste intercâmbio, onde a empatia tem um papel fundamental, os mentores do país de destino orientam os viajantes sobre onde e como fazer a hemodiálise, e os aconselham durante esta viagem.

Com relação ao processo de desenvolvimento da Connectus Medical, o uruguaio referiu-se à importância da paixão e da resiliência, e apontou que os empreendimentos devem ser "anti-frágeis". Este conceito, cunhado pelo ensaísta libanês Nassim Taleb, refere-se à capacidade de obter benefícios após a superação das dificuldades. "É possível resistir a uma investida, virá-la e torná-la bem-sucedida", concluiu o orador. 

Capital de risco, um motor de desenvolvimento para o Cone Sul 

Por sua vez, Martín Benítez, especialista em Investimentos em TIC no Uruguai XXI, destacou as características únicas que fazem do Uruguai uma localização extraordinária como um centro de negócios para a região. Além da estabilidade macroeconômica e da alta confiabilidade - apoiada pelos principais rankings internacionais - há acesso a mercados altamente atraentes, uma bateria de incentivos específicos e a disponibilidade de talentos qualificados e multilíngues.   

Na mesma linha, Isabella Antonaccio, referência em TIC da Aftercare do Uruguai XXI, destacou que o país possui instrumentos de financiamento para processos de inovação abertos, além de uma rede acadêmica e grupos de pesquisa de alto nível. "Temos também uma importante presença de empresas globais, além das próprias empresas multi-latinas que facilitam o empreendimento corporativo", disse Isabella Antonaccio. 

Por sua vez, Antonaccio destacou o valor das políticas implementadas na região para impulsionar o ecossistema empresarial e de investimentos e enfatizou o potencial do capital empresarial como "um motor de desenvolvimento para o Cone Sul".

O FICS 2020 também apresentou Saul Singer, co-autor do bestseller Startup Nation: A História do Milagre Econômico de Israel. Como parte das virtudes do ecossistema israelense, o especialista se referiu ao aumento sustentado na captação de capital de alta tecnologia e ao crescente número de empresários seniores, que reinvestem em projetos cada vez mais ambiciosos com impacto global.

Em relação ao futuro do setor, o especialista disse que "a métrica mais importante na corrida pela inovação" não é o número de start-ups, mas tem a ver com "quais países serão a saúde, educação, transporte e cidades do futuro".

Nesse sentido, Singer destacou que a Startup Nation é a história de inovação de Israel, e que cada país tem que moldar seu próprio destino com base em sua própria cultura, história e pontos fortes. "Entretanto, não se trata de cada país inovar sozinho, mas de construir um ecossistema de inovação regional e conectar-se com os grandes ecossistemas de inovação do mundo", explicou ele.

Finalmente, Singer se referiu à importância dos unicórnios no ecossistema empresarial, pois eles constituem aquelas "histórias de sucesso" que "encorajam outros empresários e também posicionam o país no cenário global de inovação".

Um exemplo nacional é a empresa uruguaia dLocal, que em setembro passado se tornou o primeiro unicórnio no país sul-americano, superando a valorização de US$ 1 bilhão. O co-fundador da empresa Sergio Fogel teve uma participação especial no segundo dia do evento, onde analisou sua carreira como empresário e contou sobre o surgimento da fintech uruguaia, que forneceu soluções de pagamento a gigantes globais como Amazon, Netflix e Uber, entre outros.  

Palabras clave:

  • partilhar