TUDO O QUE VOCê PRECISA SABER PARA COMEçAR A VENDER NA AMAZON

Fecha de publicación: 02/07/2021

Uruguay XXI organizou uma atividade para que mais empresas se familiarizassem com os aspectos práticos da utilização da plataforma.

Mais de 180 participantes, incluindo empresas de diversos setores, como o setor de alimentos, farmacêutico, industrial, têxtil, acessórios, calçado e cosméticos, entre outros, participaram no seminário Como vender na Amazon desde o Uruguai.

A atividade foi organizada pelo instituto de promoção das exportações e investimentos, Uruguay XXI, com o apoio da Agência Nacional de Inovação e Desenvolvimento (ANII), a Câmara de Comércio e Serviços do Uruguai (CCSU), a Câmara do Desenho do Uruguai (CDU), a Câmara da Indústria do Uruguai (CIU) e a União de Exportadores do Uruguai (UEU). 

Desde maio deste ano, as empresas uruguaias podem internacionalizar os seus negócios através da Amazon, uma das plataformas americanas mais relevantes de comércio eletrônico em nível global. O objetivo da atividade foi rever os aspectos mais importantes que as empresas uruguaias devem ter em conta para começar a vender neste marketplace.

A reunião foi aberta pelo diretor executivo de Uruguay XXI, Jaime Miller, e contou com a participação de Mishel Velez e Juan Pablo Carrero, diretores da aceleradora Oxígeno, que explicaram as vantagens, oportunidades e ferramentas para vender na Amazon. Além disso, o empresário uruguaio Ariel Opoczynski, líder da Modcycles USA, partilhou a sua experiência de venda na Amazon e os principais aspectos práticos a ter em conta na venda de produtos na plataforma. 

Miller assinalou a oportunidade e o desafio para as micro, pequenas e médias empresas uruguaias de conectar com novos consumidores. "Não é um processo fácil nem simples, mas é certamente um caminho que traz as suas recompensas e desde Uruguay XXI estamos comprometidos com o desenvolvimento da cultura de exportação", comentou.

Para Mishel Velez, a Amazon é uma janela que permite escalar para outros mercados e advertiu que, só nos Estados Unidos, representa 50% do mercado total.

Algumas das vantagens de vender na Amazon destacadas pelos representantes da Oxígeno são a imensa quantidade de tráfego de usuários e o volume de oferta e demanda, a possibilidade oferecida pela própria plataforma de conhecer o mercado e a concorrência, bem como as preferências e o comportamento dos consumidores. 

Velez destacou a importância de implementar estratégias de marketing e optimização de pesquisa baseadas em palavras-chave que diferenciem a marca na plataforma e uma abordagem criativa e empática das necessidades dos usuários.

Do mesmo modo, Juan Pablo Carrero afirmou que, antes de incorporar a plataforma na comercialização, é essencial conhecer o mercado dentro da Amazon, analisar a concorrência e o próprio diferencial para conhecer as oportunidades reais de uma marca ou produto, e fazer uma projeção econômica baseada em dados para ter a certeza de que a estratégia é a correta. 

Ariel Opoczynski, da empresa Modcycles USA, que vende os seus produtos na Amazon desde 2011, salientou a importância do início da formação de uma comunidade local de vendedores da Amazon e explicou alguns aspectos chave do seu negócio.

O empresário detalhou a importância do registro da marca na plataforma, a implementação de campanhas "pay per click" e os excelentes resultados do programa de envio de amostras aos clientes que a Amazon oferece para chegar aos usuários.

O empresário salientou que "nenhuma plataforma é tão importante como a Amazon", alertando que a qualidade dos produtos é muito importante e que os retornos devem ser mantidos a um nível mínimo. Na mesma linha, Opoczynski remarcou que os requisitos de desempenho são extremamente elevados, que é necessária uma atenção dedicada e respostas rápidas aos usuários porque se trata de "uma plataforma completamente centrada na experiência do cliente, que não oferece segundas chances".

O comércio eletrônico se tornou um elemento chave para o crescimento de muitas empresas, mas especialmente para as micro, pequenas e médias empresas (MPME), que no Uruguai representam 78% do núcleo de empresas exportadoras (938 em 2020), de acordo com o documento de trabalho "Caracterização das MPME exportadoras de bens no Uruguai", publicado por Uruguay XXI em março de 2021.

Apesar da sua importância numérica, as MPME representam apenas 6% do valor exportado, contudo, geram 20% dos empregos no núcleo exportador, o que representa aproximadamente 14.049 pessoas empregadas, de acordo com os dados de 2020.

Saiba mais sobre as ferramentas e os programas para as empresas exportadoras e potenciais exportadores no site Quero Exportar de Uruguay XXI.

 

Palabras clave:

  • partilhar