ALEMANHA ELOGIA A QUALIDADE DO AZEITE DE OLIVA URUGUAIO

Fecha de publicación: 06/05/2020

A empresa estatal Deutsche Welle reconheceu o produto como "o novo ouro do Uruguai".

A oliva uruguaia volta a fazer manchetes em todo o mundo devido à sua excepcional qualidade e ao desenvolvimento sustentado de sua produção, que está multiplicando suas exportações e teve uma colheita excepcional este ano. A estação de rádio estatal alemã Deutsche Welle (DW) elogiou o azeite de oliva uruguaio e deu a conhecer suas qualidades em um vídeo onde percorre a fazenda Aceites de la Sierra, localizada nas Serras de Minas, no departamento de Lavalleja.

Embora "a olivicultura seja uma atividade relativamente nova no país, a crescente demanda por produtos sem conservantes ou aditivos em todo o mundo, saudáveis e respeitadores do meio ambiente, abriu uma oportunidade no Uruguai", detalha o relatório da DW.

Embora os primeiros empreendimentos locais remontem à década de 1930, foi só em 2002-2003 que o setor começou a experimentar um boom, para se tornar um produto nacional em 2009. A consequência deste desenvolvimento é a expansão da área de produção, que hoje atinge 10.000 hectares. Atualmente, o Uruguai tem mais de 250 empresas produtoras de azeitonas que empregam entre 4.000 e 5.000 trabalhadores durante os períodos de colheita.

Quanto à sua projeção internacional, o setor olivícola local tem experimentado um crescimento vertiginoso em suas exportações. Se observarmos o primeiro trimestre deste ano, foram exportados 18.557 quilos de azeite e suas frações, por um valor total de USD 81.195, valor muito superior ao exportado no mesmo trimestre de 2019, quando foram vendidos 460 quilos por um valor de USD 4.113, e o primeiro trimestre de 2018, quando as exportações atingiram 5.683 quilos por um valor de USD 39.903.

Parte do sucesso da indústria olivícola local se deve às condições naturais ótimas do Uruguai. Seu clima temperado e grande disponibilidade de solos férteis favorecem o desenvolvimento do setor. Neste sentido, DW observa que o Uruguai "tem uma latitude semelhante à bacia do Mediterrâneo, a principal área de produção do mundo".

Quanto à safra deste ano, o relatório destaca que ela se beneficiou da baixa pluviosidade registrada nos últimos meses. O chefe do Aceites de La Sierra, Jorge Calvete, disse à DW que, devido à falta de chuva, o óleo dessa safra "está saindo muito bom, com características de aroma e sabor muito interessantes".

O cuidado nos detalhes de uma produção que respeita o meio ambiente e é orientada à excelência se reflete em óleos virgens e extra-virgens de extraordinária qualidade. Os parâmetros uruguaios para o azeite são muito elevados, com um nível de acidez não superior a 0,5%, um padrão mais exigente que o estabelecido pelo Conselho Oleícola Internacional (COI), que é de 0,8%.

Cerca de trinta variedades são cultivadas no Uruguai, entre as quais se destaca a azeitona arbequina, que representa 50% das plantações, bem como as azeitonas frantoio, picual, coratina e leccino. Esta grande diversidade varietal nos permite oferecer óleos virgens monovarietal e também óleos de misturas de duas ou mais variedades, para uma melhor adaptação aos gostos mais exigentes.

Os estabelecimentos uruguaios aplicam o sistema intensivo de agricultura a seco para o cultivo da azeitona, uma das peculiaridades da produção local. As oliveiras são colhidas no momento ideal, a recepção das azeitonas em perfeitas condições, a redução ou eliminação dos tempos de alojamento, a moagem a baixa temperatura e o armazenamento do aço inox. Este processo "preserva as propriedades da azeitona, que são transferidas para a chapa", ressalta o relatório DW.

Devido à soma de suas condições naturais e sua orientação para a excelência, o Uruguai tornou-se um produtor de destaque e seus óleos são reconhecidos mundialmente. De fato, duas marcas nacionais de azeite já receberam prêmios em concursos do setor em Nova York e Tóquio, enquanto a empresa Colinas de Garzón está posicionada no quinto lugar entre as 100 melhores empresas de azeite do mundo, segundo o Ranking Mundial de Azeites Virgens Extra 2015 (WREVOO). Da mesma forma, a organização World's Best Olive Oils (WEBOO) colocou a referida empresa na vigésima posição do Ranking 2015-2016 das 25 melhores empresas de azeite extra virgem do mundo.

Em linha com estes elogios, a nota da DW resume que "apesar de sua juventude, os azeites uruguaios foram premiados em vários países e também reconhecidos pelo Conselho Oleícola Internacional". Os olivais ainda são jovens, mas já estão conseguindo um azeite generoso, aromático e de cor intensa". Orientado para a busca de alimentos saudáveis, naturais e de alta qualidade, o mundo busca no Uruguai um produto que combine tradição e inovação, respeito ao meio ambiente e vocação para a excelência.

Para acessar a nota da Deutsche Welle (DW), acesse aqui.

Palabras clave:

  • partilhar