TALENTO DA ILUSTRAçãO URUGUAIA EM DESTAQUE NA FEIRA DO LIVRO INFANTIL DE BOLONHA

Fecha de publicación: 03/05/2020

Pelo terceiro ano consecutivo, os ilustradores uruguaios foram selecionados entre 3.000 por um júri internacional para fazer parte da exposição oficial do maior evento do setor.

Na Feira do Livro Infantil de Bolonha (BCBF), a ilustração tem um lugar privilegiado. Das mais de 3.000 inscrições, apenas 70 foram aceitas para a exposição oficial. E embora o número de ilustradores de todo o mundo que se candidataram a participar deste evento seja imenso, o talento uruguaio tem conseguido se destacar.

Na edição de 2020, Eduardo Sganga hasteará a bandeira uruguaia. O ilustrador foi precedido em 2018 pelos ilustradores Fran Cunha e Dani Scharf, e em 2019 por Alfredo Soderguit, Sabrina Pérez e Cecilia Rodríguez.

En Bologna Children's Book Fair (BCBF) la ilustración tiene un lugar privilegiado. De entre más de 3.000 postulaciones solo 70 acceden a la posibilidad de participar de la exhibición oficial. Y aunque la postulación de ilustradores de todas partes el mundo a esta convocatoria es inmensa, el talento uruguayo logra destacarse.

En la edición de 2020 quien levantará la bandera de Uruguay será Eduardo Sganga. A él lo precedieron en 2018 los ilustradores Fran Cunha y Dani Scharf, y en 2019 Alfredo Soderguit, Sabrina Pérez y Cecilia Rodríguez.

Ilustraciones de Eduardo Sganga.

De segunda-feira 4 a quinta-feira 7 de maio, representantes das editoras Amanuense e Basilisa e o agente de direitos Jorge Varela, eleito por unanimidade por um tribunal composto por representantes da agência de promoção de investimentos, exportação e imagem do país, Uruguai XXI, do Ministério da Educação e Cultura (MEC) e da Câmara Uruguaia do Livro (CUL), participarão do evento através de uma plataforma virtual. Além disso, 14 autores exibem seus trabalhos através de um catálogo de literatura infantil e juvenil e do catálogo de ilustrações do MEC.

Com o objetivo de ampliar a participação e mostrar o talento de mais artistas nacionais, foi criado um catálogo exportável contendo obras da literatura infantil e juvenil uruguaia de autores selecionados. Os beneficiários deste tipo de apoio são Amanuense, Natalia Cardozo, Matías Castro, Criatura Editora, Editorial Basilisa, Valentina Echeverría, Nino Fernández, Jorge Matos, María José Pita, Claudia Prezioso, Sebastián Santana, Dani Scharf, Eduardo Sganga e Alfredo Soderguit.

Experiências bem sucedidas

O ilustrador uruguaio Alfredo Soderguit já participou duas vezes do BCBF e suas experiências foram muito positivas. Em 2017 ele vendeu os direitos autorais do seu livro "Soy un animal" (Sou um animal), que em suas palavras, pode ser definido como um poema. No ano passado ele conseguiu garantir a venda dos direitos do seu livro "Los Carpinchos" à editora venezuelana Ekaré e à editora francesa Didier Jeunesse.

A Soderguit acredita que dar continuidade à presença neste tipo de eventos e mercados "tem um efeito cumulativo que é fundamental", e não só de aprendizado, mas também de resultados diretos. "Claro, isso depende da experiência anterior, senão é sempre como recomeçar. É fundamental ter um projeto, sair para oferecer algo concreto e não para explorar", avaliou.

"Para o projeto que apresentei em 2019 fiz uma análise mais focada nas editoras que puderam gostar do meu trabalho, para não gastar tempo e energia entrevistando editoras que não estavam potencialmente interessadas. Fiz uma seleção e fui em busca dela". Ao contrário de 2017, quando solicitou 70 compromissos, em 2019 coordenou 10 com potenciais compradores, dos quais pelo menos sete solicitaram o projeto. Desta forma, ele pôde escolher a melhor proposta.

Ilustraciones de Alfredo Soderguit.

"Los Carpinchos" é uma fábula com uma narrativa bastante simples, embora com muita exibição visual ao nível da ilustração, algo naturalista. Trata-se da imigração forçada: uma família de capivaras foge da época da caça, assim como uma família síria que foge da guerra. As capivaras saem de um rio e chegam a uma margem onde há um galinheiro onde se refugiam", disse Soderguit, explicando que apesar do "resultado utópico", a história mostra como as capivaras têm de enfrentar os limites que as galinhas lhes põem, como as vêem.

Julia Ortíz, editora da Criatura, observou que a participação na feira é uma excelente oportunidade para gerar novos contatos e restabelecer vínculos com outras pessoas. Em 2019, antes da feira, ela coordenou dez compromissos e depois, uma vez iniciado o evento, surgiram muitos outros espontâneos. Como resultado dos contatos que fez, a Criatura Editores vendeu os direitos autorais do livro Grande.

Grande é o primeiro livro escrito e ilustrado por Pablo Choca, um designer publicitário. "É uma daquelas coisas que quase nunca acontece, um completo estranho nos enviou um manuscrito, nós adoramos e fizemos muitas cópias". Na verdade, ganhou o Prêmio Bartolomé Hidalgo 2019, foi uma surpresa total por ser um autor estreante", disse Ortíz.

O editor destacou o nível da ilustração uruguaia. "Está à altura da tarefa e pode competir com o resto do mundo". Ela também acrescentou que a qualidade das ilustrações uruguaias e a seriedade de suas propostas é o que atrai a atenção das editoras estrangeiras.

A ilustradora Claudia Prezioso participou do BCBF em 2017 após ganhar o Prêmio Nacional de Ilustração, que consiste, em parte, na apresentação de um projeto na feira. Durante sua visita, ela foi acompanhada pelas ilustradoras Sabrina Pérez e Laura Carrasco, que haviam ficado em segundo e terceiro lugares, respectivamente. Os três ilustradores, juntamente com Dani Scharf e Fran Cunha, formaram a delegação uruguaia naquele ano.

Ilustración de Claudia Prezioso.

A forma de voltar a Bolonha em 2019 foi através do catálogo exportável, algo que permitiu a uma editora italiana interessar-se pelo seu trabalho e comprar "Ama", uma obra que lida com o amor "representado por dois seres que se apaixonam e passam pela viagem que começa naquele momento em que dois olhares se cruzam e começam a construir um mundo de fantasias".

"No caso da ilustração, o Uruguai está sendo visto no exterior como um lugar de frescor em comparação com a ilustração européia. Há um lado de nós que é mais original e atraente" para as editoras estrangeiras, diz Prezioso.

"Somos um grupo que vem trabalhando há muito tempo e que pode ser visto na variedade do nosso trabalho. Começamos agora a mostrar mais interesse no treinamento em ilustração, mas os ilustradores de antes têm experimentado de forma autodidata, e isso tem levado ao desenvolvimento de diferentes perfis. No Uruguai há uma liberdade que é boa de se aproveitar", ressaltou.

Palabras clave:

  • partilhar