URUGUAY STRENGTHENS ITS RELATIONSHIP WITH THE UNITED ARAB EMIRATES

Fecha de publicación: 22/02/2022

Como parte da missão do Uruguai ao Dubai, realizou-se um Fórum Empresarial com a participação do Presidente Luis Lacalle Pou e o encontro "Emirados Árabes Unidos & Uruguai: portas de entrada entre o Médio Oriente e a América Latina", com apresentações do Ministro da Economia e Finanças e do Ministro da Indústria, Energia e Minas.

Num novo dia com uma delegação de autoridades nacionais, a assinatura do memorando de entendimento para expandir a cooperação económica e incentivar, promover e facilitar a cooperação efectiva nos domínios do comércio, indústria e serviços teve lugar entre os dois países, nas mãos da Câmara do Dubai e da Câmara de Comércio e Serviços do Uruguai (CCSUY).

Nos termos do acordo, as Câmaras do Dubai e a CCSUY irão alinhar os seus esforços para facilitar e expandir a cooperação, o comércio e os negócios entre os seus respectivos membros. As duas entidades trocarão informações relacionadas com questões económicas, comerciais e industriais, incluindo informações sobre sectores de interesse mútuo, bem como oportunidades de negócio.

O acordo estratégico foi assinado por Hamad Buamim, presidente e CEO das Câmaras do Dubai e pelo Sr. Haroldo Espalter, membro da direcção da CCSUY, na presença de representantes de ambas as câmaras de comércio. A assinatura foi seguida pelo Presidente do Uruguai, Dr. Luis Lacalle Pou.

O comércio não petrolífero do Dubai com o Uruguai atingiu 14,6 milhões de dólares em 2020, o que representa a maior quota do comércio dos EAU com o país latino-americano, revelou Buamim, que acrescentou que existe um grande potencial comercial inexplorado do qual as empresas uruguaias e as suas homólogas dos EAU podem beneficiar.

Pela sua parte, Haroldo Espalter, membro do conselho de administração da CCSUY, disse que nesta entidade as empresas Emirati têm um aliado para explorar, desenvolver e promover com sucesso novos negócios na região sul-americana.

O lado uruguaio reafirmou o seu compromisso com as instituições Emirati na constante procura e criação de oportunidades de cooperação e intercâmbio a nível comercial, tecnológico e de investimento entre as duas economias, que têm um elevado potencial e grande complementaridade entre elas, em termos de comércio de bens e serviços.

Mais tarde, realizou-se o fórum empresarial "Emiratos e Porta do Uruguai para o Médio Oriente e Latam" com comentários de boas-vindas do Director Executivo do Uruguai XXI Sebastián Risso, seguido de apresentações da Ministra Azucena Arbeleche e do Ministro da Indústria, Energia e Minas.

Estiveram também presentes o Ministro dos Negócios Estrangeiros, o Embaixador Francisco Bustillo, o Ministro da Pecuária, Agricultura e Pescas, o Agrónomo Fernando Mattos, o Ministro do Turismo, Tabaré Viera e o Embaixador do Uruguai nos Emiratos, o Sr. Álvaro Ceriani.

Também, empresas que acompanham e apoiam esta missão como Bodega Garzón, o Instituto Nacional da Carne (INAC), Conaprole, o Laboratório Tecnológico do Uruguai (LATU), o Instituto Nacional de Viticultura (INAVI), ANTEL, o Banco da República Oriental do Uruguai, UTE e a empresa agro-industrial do arroz, COOPAR.

Arbeleche, que também preside o Comité de Desenvolvimento do Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial, falou a uma audiência de empresários Emirati, autoridades estrangeiras e representantes da delegação uruguaia.

No seu discurso, a ministra salientou que o Uruguai é um lugar favorável ao investimento privado e aberto ao mesmo.

"Temos liquidez suficiente, somos muito estáveis e não mudamos as políticas", disse ela.

Salientou que, enquanto país, o Uruguai está aberto a negociar com todas as regiões do mundo, e baseou a sua apresentação nos seus indicadores ESG (Environmental, Social and Governance), que se referem a indicadores ambientais (incluindo as alterações climáticas), sociais e de governação (tais como controlo da corrupção, respeito pelo Estado de direito ou pela qualidade da democracia) e investimentos socialmente responsáveis. Além disso, os seus múltiplos benefícios logísticos, dado que o Uruguai tem pontos de entrada marítimos, aéreos e terrestres privilegiados e os únicos portos livres na região, fazem dele a melhor opção para abastecer o continente a partir daí.

As primeiras posições no ranking de complexidade económica de Harvard na América do Sul (que estima o crescimento dos países de acordo com as exportações), na adopção das TIC, no Índice do Estado de Direito de acordo com o Estado de Direito, no controlo da corrupção de acordo com o Banco Mundial, assim como o número 1 no Índice de Mobilidade Social da América Latina de acordo com o Fórum Económico Mundial, entre outras posições de destaque, apoiam a solidez transversal do país.

Sublinhou também o empenho do seu secretariado e o seu papel como presidente do FMI e do Comité de Desenvolvimento do BM em incorporar as questões ambientais nas políticas económicas.

Por seu lado, o Ministro da Indústria, Energia e Minas, Omar Paganini, destacou o progresso do Uruguai no desenvolvimento das energias renováveis, tecnologia e produção audiovisual.

"O Uruguai exporta software e serviços informáticos em geral há mais de 30 anos", sublinhou aos presentes e aos meios de comunicação internacionais.

Também destacou o Plano Ceibal, através do qual cada criança recebeu um computador portátil desde 2007.

Sistema de filmagens audiovisuais, estabilidade, isenções fiscais, programas especiais e um quadro governamental fiável são algumas das vantagens que o Uruguai oferece como local de filmagem.

Para além dos pontos fortes do Uruguai em energia renovável, tecnologia e mobilidade, incluiu também as indústrias de conteúdos digitais como forma de aumentar as exportações.

"O Uruguai tem os sectores tradicionais que continuam a crescer, mas convido-os a investir na inovação e em novas ideias", concluiu.

O evento em rede também incluiu a apresentação de produtos nacionais incluídos no Programa Sembrando, que procura apoiar micro, pequenos e médios empresários na orientação dos seus bens e serviços para os mercados locais e internacionais.

O dia culminou com uma recepção organizada pelo HSBC Bank Middle East para as autoridades locais e clientes.

Arbeleche, que también preside el Comité de Desarrollo del Fondo Monetario Internacional y del Banco Mundial, habló ante una audiencia de empresarios emiratíes, autoridades extranjeras y representantes de la delegación uruguaya.

En su discurso, la ministra destacó que Uruguay es un lugar favorable a la inversión privada y abierto a ella.

"Tenemos suficiente liquidez, somos muy estables y no cambiamos las políticas", dijo.

Destacó que, como país, Uruguay está abierto a negociar con todas las regiones del mundo, y basó su presentación en sus indicadores ESG (Environmental, Social and Governance), que hacen referencia a las inversiones medioambientales (incluyendo el cambio climático), sociales y de gobernanza (como el control de la corrupción, el respeto al estado de derecho o la calidad de la democracia) y socialmente responsables. Además, sus múltiples ventajas logísticas, dado que Uruguay cuenta con puntos de entrada marítimos, aéreos y terrestres privilegiados y los únicos puertos libres de la región, lo convierten en la mejor opción para abastecer al continente desde allí.

Las primeras posiciones en el ranking de complejidad económica de Harvard en América del Sur (que estima el crecimiento de los países en función de las exportaciones), en la adopción de las TIC, en el Índice de Estado de Derecho según el Rule of Law, en el control de la corrupción según el Banco Mundial, así como el número 1 en el Índice de Movilidad Social de América Latina según el Foro Económico Mundial, entre otras posiciones destacadas, avalan la fortaleza transversal del país.

También subrayó el compromiso de su secretaría y de su papel como presidente del Comité de Desarrollo del FMI y del BM de incorporar las cuestiones medioambientales a las políticas económicas.

Por su parte, el ministro de Industria, Energía y Minería, Omar Paganini, destacó los avances de Uruguay en el desarrollo de las energías renovables, la tecnología y la producción audiovisual.

"Uruguay lleva más de 30 años exportando software y servicios informáticos en general", subrayó ante los presentes y los medios internacionales.

También destacó el Plan Ceibal, mediante el cual cada niño ha recibido un ordenador portátil desde 2007.

Sistema de rodaje audiovisual, estabilidad, exenciones fiscales, programas especiales y un marco gubernamental fiable son algunas de las ventajas que ofrece Uruguay como lugar de rodaje.

Además de los puntos fuertes de Uruguay en energías renovables, tecnología y movilidad, también incluyó a las industrias de contenidos digitales como una forma de aumentar las exportaciones.

"Uruguay tiene los sectores tradicionales que siguen creciendo, pero los invito a invertir en innovación y nuevas ideas", concluyó.

El evento de networking también incluyó la presentación de productos nacionales incluidos en el Programa Sembrando, que busca apoyar a los micro, pequeños y medianos empresarios a orientar sus bienes y servicios hacia los mercados locales e internacionales.

O dia culminou com uma recepção organizada pelo HSBC Bank Middle East para as autoridades locais e clientes. 

Palabras clave:

  • partilhar